Asma e o Covid-19 - Clínica Mon Petit
pediatria, bebês, clínica pediátrica porto alegre, pediatria, neonatal, parto, acompanhamento de parto
16672
post-template-default,single,single-post,postid-16672,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-14.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.2,vc_responsive

Asma e o Covid-19

O dia 5/5 é o Dia Mundial de Combate à Asma. Este ano, abordaremos a doença relacionando-a ao Covid-19, já que os sintomas de ambos são muito semelhantes e nosso objetivo será proteger os pequenos portadores da asma de qualquer infecção viral, seja o resfriado comum ou o coronavírus, para mantê-los longe dos hospitais. A asma é caracterizada por inflamação no revestimento das passagens aéreas do pulmão. Para a maioria das crianças asmáticas, a condição é de longo prazo e é marcada por
por falta de ar, chiado no peito e tosse seca. Por isso, ter um bom controle da doença é o principal ponto de partida para reduzir seu risco. Algumas dicas para controlar a asma de seu filho:

* usar sua medicação preventiva todos os dias conforme prescrito pelo médico;
* entrar em contato com seu médico para garantir que seu controle de asma seja o melhor possível e que os medicamentos e doses atuais estejam adequados;
* certificar-se de ter um plano de ação atualizado sobre asma e como agir nas crises agudas, pois é importante intervir o quanto antes para evitar que o quadro se agrave;
* tomar a vacina contra a gripe;
* na dúvida sobre o que seu filho tem (asma ou outra doença respiratória), contate imediatamente o pediatra;
* evite que seu filho fique exposto a fatores que podem desencadear a crise de asma. Descubra os alérgenos, assim como outras circunstâncias que possam provocar uma crise asmática. Em muitos casos a asma infantil responde a uma alergia;
* aprenda a identificar e a reconhecer os sintomas da crise asmática e ensine-os ao seu filho para que possa intervir a tempo. Anotem as horas do dia em que a tosse, a dificuldade de respirar, os chiados no peito são piores.

Não há comprovação de que os asmáticos tenham maior propensão a contrair o coronavírus, no entanto, a experiência de outros países mostra que os pacientes que evoluíram para as formas mais graves tinham comorbidades, entre elas problemas respiratórios crônicos. Por isso reforçamos a necessidade do uso das medidas preventivas com mais rigidez para portadores de asma, como isolamento social, higiene pessoal e boa adesão ao tratamento que já está habituado.