Crianças e o uso de máscaras - Clínica Mon Petit
pediatria, bebês, clínica pediátrica porto alegre, pediatria, neonatal, parto, acompanhamento de parto
16661
post-template-default,single,single-post,postid-16661,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-14.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.2,vc_responsive

Crianças e o uso de máscaras

Recentemente o Ministério da Saúde recomendou que a população use MÁSCARAS CASEIRAS para conter a pandemia de Covid-19. E as crianças, apesar de não estarem no grupo de risco, por poderem transmitir o vírus sem sintomas, estão incluídas na recomendação do uso de máscaras, CASO PRECISEM SAIR DE CASA. Apenas crianças acima de 2 anos podem usar a máscara e somente se for inevitável sair de casa. Antes dessa idade, o risco de sufocamento é maior, por isso não é indicado.

Sobre as máscaras, nossas dicas:
* use as de algodão, com duas camadas de pano e presas por elásticos atrás da orelha confortavelmente;
* antes de tocar na máscara, é fundamental lavar as mãos com água e sabão por 20 segundos ou passar álcool em gel;
* certifique-se que a máscara cobriu totalmente nariz e boca, senão perderá a eficácia;
* retire-a sempre retirar pelos elásticos, mas se precisar encostar no tecido, coloque o dedo na parte interna da máscara, onde o risco de contaminação é menor, e nunca na frente;
* troque-a a cada duas horas ou quando estiverem umedecidas. É possível e eficaz usar filtros de papel entre as camadas para uma extra proteção;
* se for ficar mais tempo na rua leve máscaras extras, embaladas individualmente em saquinhos de plástico;
* quando voltar para casa, deixe-a de molho em água sanitária por 30 minutos;
* a criança tende a tocar na máscara, ou a mãe precisará tocar para ajustar, então há risco de contaminação por outros orifícios, por isso o ideal é realmente ficar em casa.

Destacamos que essas dicas são para uso de máscaras caseiras, pois as máscaras descartáveis devem continuar sendo utilizadas somente por profissionais de saúde, indivíduos com sintomas respiratórios e quem cuida deles. Já estamos vivemos um cenário de falta de equipamentos de proteção individual para quem mais precisa deles. Vamos pensar no coletivo.