Seu filho vai mal na escola? - Clínica Mon Petit
pediatria, bebês, clínica pediátrica porto alegre, pediatria, neonatal, parto, acompanhamento de parto
16538
post-template-default,single,single-post,postid-16538,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-14.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.2,vc_responsive

Seu filho vai mal na escola?

Os distúrbios de aprendizagem – problemas que afetam a capacidade da criança de receber, processar, analisar ou armazenar informações – acometem de 5 a 15% de crianças em idade escolar, em diferentes idiomas e culturas, especialmente na leitura e escrita. O dado é do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V, 2015), publicação da American Psichiatric Association. E esses distúrbios podem dificultar as habilidades de leitura, escrita, soletração e resolução de problemas matemáticos por parte das crianças.

Sinais como alterações na percepção, escuta, visão, entre outros, devem ser observados e tratados o quanto antes. Pais e pediatras devem estar atentos nesse sentido, pois o tratamento adequado precoce fará toda a diferença no desenvolvimento dos pequenos. Então, levar o assunto aos consultórios pelos pais, e não deixá-lo apenas na escola, é fundamental no processo. O que geralmente ocorre é que os pais estão muito preocupados com doenças e relação peso e altura, por exemplo, e deixam de falar que a criança não está indo bem na escola. E esse mau desempenho na escola pode estar ligado a problemas auditivos, visuais e até a outros distúrbios mais sérios, como dislexia.

Nesse sentido destacamos a importância da iniciativa da Sociedade de Pediatria de SP, que criou a campanha Junho Púrpura – Distúrbios de aprendizagem: conhecer, perceber, enfrentar, cujo objetivo é debater o tema e atualizar pediatras sobre o aprendizado, suas dificuldades e transtornos, além de oferecer informações relevantes ao público leigo para que possam identificar precocemente os problemas e saber qual ajuda especializada procurar para que sejam instituídas intervenções educacionais e terapêuticas necessárias.