Ginástica pós-parto: quando voltar e opções de exercícios - Clínica Mon Petit
pediatria, bebês, clínica pediátrica porto alegre, pediatria, neonatal, parto, acompanhamento de parto
16463
post-template-default,single,single-post,postid-16463,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-14.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.2,vc_responsive

Ginástica pós-parto: quando voltar e opções de exercícios

As mamães que costumavam ter uma rotina com ginástica ficam ansiosas em saber quando poderão retomar as atividades normais, ou seja, anteriores à gravidez.

Para as que tiveram parto normal onde tudo tenha corrido dentro do previsto, o retorno é cerca de 15 dias após o nascimento do bebê, quando já é possível realizar atividades como caminhada, corrida, musculação leve, abdominal, alongamento e Pilates.

Já para quem passou por uma cesariana, o retorno leve é após, pelo menos, um mês do parto, sem forçar a região do abdômen, sendo indicadas apenas caminhadas leves e alongamentos de braços e pernas. Cerca de 40 a 60 dias após é que outros exercícios estarão liberados.

Em ambos os casos, atividades na água somente serão permitidas quando o colo do útero estiver bem fechado para evitar o risco de infecções, o que ocorrerá por volta do 45º dia pós-parto.

Uma boa sugestão para estreitar o vínculo entre mãe e filho, e ainda evitar desculpas para falhar a rotina, é praticar a ginástica com junto com ele. Corrida leve com o carrinho da criança e substituir os halteres pelo bebê, são ótimas opções.

Outras vantagens da prática com o bebê:
• fortalecimento da região do abdômen;
• otimização do tempo da mãe;
• redução de alguns incômodos dos recém-nascidos, como as cólicas e melhora do humor;
• sociabilização com outras mamães possibilitando a troca de experiências;
• exemplo para os filhos dos benefícios das atividades físicas para a qualidade de vida.

Importante ressaltar que atividades intensas exageradas, como a prática diária de 1 hora de exercício aeróbico, com ou sem bebê, podem afetar a produção de leite, prejudicando a amamentação.
Então, siga sempre a orientação do seu obstetra e pediatra, e use o bom senso para equilibrar o bem-estar e saúde da mamãe e da criança.