Pediatra neonatologista e a importância de escolhê-lo ainda durante a gestação - Clínica Mon Petit
pediatria, bebês, clínica pediátrica porto alegre, pediatria, neonatal, parto, acompanhamento de parto
16378
post-template-default,single,single-post,postid-16378,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-14.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.2,vc_responsive

Pediatra neonatologista e a importância de escolhê-lo ainda durante a gestação

O médico está sempre presente em nossas vidas, inclusive na hora do nosso planejamento familiar. Pensamos no ginecologista inicialmente; logo pode entrar o especialista em fertilidade (quando ocorre alguma dificuldade para concepção); o obstetra, que vai nos acompanhar por toda a gravidez, e o pediatra, que atenderá nosso filho por muitos anos.

Existe, porém, um especialista essencial e que pouca gente lembra, que é o pediatra neonatologista, cuja responsabilidade é o atendimento do bebê assim que acontece o parto.

Desde 1993, o Ministério da Saúde determinou a obrigatoriedade da presença desse profissional na sala de parto, a quem cabe a responsabilidade da assistência aos primeiros minutos de vida do bebê.

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Pediatria, 10% dos bebês precisam de algum auxílio para iniciar e manter a respiração logo após o nascimento. Estima-se que, cerca de 300.000 crianças todo ano no Brasil precisam de ventilação ao nascer. Essa minoria que exige maiores atenções ao nascer, precisa ter um atendimento individual, específico e de qualidade no momento que pode ser considerado o mais perigoso na vida de qualquer pessoa, já que a chance de haver alguma intercorrência com lesão cerebral é maior nos primeiros minutos de vida do que em todo o restante da vida.

Portanto, assim como é importante a preocupação na escolha do obstetra, também é imprescindível uma escolha criteriosa do pediatra neonatologista que prestará o atendimento na sala de parto, pois, além da qualidade técnica deste profissional, deve haver o vínculo família/médico, respeitando-se escolhas pessoais e questões específicas que só poderão ser consideradas se o médico conhecer a família antes do momento do parto.