Quando as mães devem se preocupar com o refluxo - Clínica Mon Petit
pediatria, bebês, clínica pediátrica porto alegre, pediatria, neonatal, parto, acompanhamento de parto
16361
post-template-default,single,single-post,postid-16361,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-14.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.2,vc_responsive

Quando as mães devem se preocupar com o refluxo

Muitas mamães nos procuram preocupadas com os vômitos de seus bebês, querendo saber se é por causa do tão conhecido refluxo.

É importante esclarecer, antes de tudo, que a grande maioria dos bebês sofre com esse problema, considerado normal, até certo ponto.

O refluxo a princípio é normal e transitório. Normal porque os bebês têm um mau funcionamento de uma válvula que existe na entrada do estômago chamada cárdia. Esta válvula deveria se fechar após a passagem do alimento, impedindo sua volta para a boca através do esôfago. Porém, em grande parte dos recém-nascidos, ela permanece aberta, fazendo com que alimentos e sucos gástricos voltem do estômago em direção à boca. Essa “volta” do conteúdo do estômago através do esôfago é o que se chama então de refluxo gastresofágico. E essa situação é transitória porque, depois dos 4 meses de vida da criança, aproximadamente, o funcionamento da válvula se normaliza, encerrando o ciclo do desconforto.

No entanto, o refluxo passa a ser anormal ou patológico quando acompanhado de outros sintomas como: dificuldade de ganho de peso, recusa alimentar, problemas respiratórios, choro excessivo aparentemente sem causa, entre outros.

Por isso é muito importante que as mamães e papais estejam sempre atentos a todos os sintomas e, na dúvida, sempre procurem seu médico pediatra.

MAIS NOTÍCIAS