Volta às aulas requer preparação - Clínica Mon Petit
pediatria, bebês, clínica pediátrica porto alegre, pediatria, neonatal, parto, acompanhamento de parto
16503
post-template-default,single,single-post,postid-16503,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-14.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.2,vc_responsive

Volta às aulas requer preparação

Algumas crianças contam os dias para retornar às aulas. Outras podem enfrentar grande dificuldade em retomar a rotina. Por isso os pais devem estar atentos e tomar alguns cuidados para inserir seus filhos de volta ao seu dia-a-dia.

Na semana anterior ao primeiro dia, por exemplo, envolva a criança na compra e na organização do material, como arrumar a mochila, etiquetar os cadernos e separar o uniforme. É importante, também, lembrar seu filho dos bons momentos que teve no ano anterior, da oportunidade de rever os amigos e professores, fazer novas amizades e recomeçar atividades como futebol, natação e dança. Duas semanas antes, comece a rotina de noites mais longas de sono, mantendo um horário de acordar mais próximo do horário da escola, no caso de crianças que estudam na parte da manhã. Para aqueles que vão estudar à tarde, vale começar a preparar o hábito de acordar a tempo de brincar, fazer a tarefa e assistir ao desenho predito. Uma ideia bacana e eficiente, já utilizada por algumas mamães, é combinar entre elas um encontro de volta às aulas para as crianças pouco antes do início das aulas para que coloquem todas as novidades em dia. Isso irá diminuir a ansiedade.

Com o retorno, também podem surgir problemas com má alimentação na hora do recreio, excesso de peso da mochila entre outros. Por isso, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), para chamar a atenção sobre o tema, preparou em 2017 um guia atemporal para pais e pediatras com recomendações práticas e fáceis de seguir.

Confira, e em caso de dúvida, busque orientação junto ao pediatra:

1) Atenção para sinais de bullying ou de outra forma de violência torna-se essencial;

2) Monitorar a adaptação aos novos horários, valorizando-se as horas de sono necessárias para um bom rendimento na escola, estando descansado e atento;

3) É preciso oferecer uma alimentação balanceada e adequada às exigências das atividades dos alunos, bem como garantir a ingestão frequente de água;

4) Deve ser observado o peso da mochila do estudante. Para evitar danos (dores e, mais tarde, desvios da coluna), quando cheia, ela não deve ultrapassar 10% do peso do estudante;

5) As mochilas devem ser organizadas diariamente para levar só o que for necessário. Na hora da compra, optar pelos modelos de materiais leves e cujo tamanho da mochila fique acima da cintura de quem vai carregá-la para a escola;

6) É necessário cuidado com a segurança das crianças e dos adolescentes no trajeto até a escola, seja em automóvel, transporte escolar, transporte coletivo ou mesmo a pé, é fundamental atender a todos os requisitos de segurança, especialmente o uso de cinto e de cadeiras apropriadas, de acordo com a idade;

7) Recomenda-se atenção a queixas visuais, como dificuldade de ler à distância, e dores de cabeça. É importante também conhecer a acuidade auditiva dos estudantes e providenciar exame se houver dúvidas ou se aparecer alguma dificuldade sugestiva;

8) Os cartões de vacinação dos alunos precisam estar em dia. Caso alguma vacina esteja em atraso, deve-se atualizá-la de forma urgente para prevenir casos de doenças de transmissão interpessoal, considerando o convívio em ambientes coletivos. O mesmo vale para problemas causados por parasitoses;

9) Diante do risco de doenças transmitidas por vetores, como dengue, zika e chikungunya, além da febre amarela, sugere-se atenção permanente ao sinais e sintomas demonstrados por alunos. As escolas devem estar preparadas para o combate aos mosquitos, com aplicação adequada de inseticidas e eliminação sistemática de depósitos de água parada, assim como para aplicação de repelente de insetos nos alunos, quando recomendado;

10) Estudantes que precisam receber medicação no horário escolar (especialmente aqueles com doenças crônicas) devem informar sua necessidade às escolas e novos professores, a fim de que tal necessidade seja contemplada sem prejuízos.

Fonte: SBP